quarta-feira, 30 de novembro de 2011

A Nova Era da Arquitetura e Decoração dos Hotéis

Esse meu artigo foi também publicado no Hôtelier News. Clique AQUI.
===========================
Vamos encarar a realidade: não há mais espaço para decoração entediante em hotéis. A arquitetura e decoração de interiores voltados à hotelaria podem ajudar muito a tangibilizar seu posicionamento, sua identidade, sua proposta, seu diferencial. São elementos extremamente perceptíveis, mesmo que inconsciente para alguns. As três palavras de ordem para a ambientação de hotéis hoje são: conforto, estímulo e interatividade.
Para tanto, não se pode limitar a ousadia a marcas como W Hotels ou Unique. Além disso, se você é um hotel independente, fique longe de padrões internacionais, tenha identidade própria, torne a criatividade parte da sua estratégia e inspire-se. Use e abuse da arquitetura e da decoração para encantar e envolver seus hóspedes. É para isso que ela serve. Os viajantes querem lembrar de produtos únicos, criativos. Estes, aliás, são os mais lembrados e comentados nas redes sociais após a hospedagem.
Vamos entender o que vem acontecendo com o mercado.
Dos anos 1970 aos dias de hoje
Durante muitos anos, a arquitetura e a decoração hoteleira repetiam padrões internacionais com o discurso de manter os projetos globalizados. Qual viajante frequente já não perdeu a noção de onde estava porque acordou em um quarto exatamente igual a todos os outros?
Tal tendência, felizmente, está acabando. Embora grandes redes ainda insistam na decoração impessoal, muitas outras já começam a colocar elementos da cultura local nos seus ambientes, aproximando-os dos hóspedes.
Até os anos 1970/1980, a arquitetura e decoração seguiam basicamente dois estilos:

Americano - chão frio, pé direito alto, restaurante fraco e recepção tradicional. Eficiência é mais importante que afeto ou luxo. Construções geralmente novas, verticais e com ênfase na tecnologia. Palavra chave: Funcionalidade.

Europeu - tapetes, plantas, pé direito mais baixo e, nos mais tradicionais, check-in sentado. Modelo que valoriza as mordomias e cerimônias, no qual o antigo tem valor. Maior integração com a natureza. Palavra chave: Conforto.

Esses rótulos estão acabando, e os dois modelos se mesclando. Muitos executivos e investidores hoteleiros já entenderam que o inteligente, em termos de construção e decoração, é agregar o melhor dos dois mundos.

Os hóspedes agradecem. Afinal de contas, um hotel é muito mais que "dormir fora de casa". Para muitos, a hospedagem é diversão, negócios, fuga da rotina (turismo cultural), novos conhecimentos (para quem participa de eventos) etc. Não há mais espaço para hotéis engessados. Versatilidade é essencial nessa indústria.
Com base nisso, a onda do design tomou conta da hotelaria. Hoje encontramos bares temáticos, restaurantes incríveis, salas de eventos interativas, fitness e lobbys sensacionais. E, por falar em lobby, esse é o ponto primordial com o qual você pode ganhar ou perder o cliente.

Lembre-se da importância da primeira impressão. Até então, o viajante só tinha a promessa (comentários dos amigos, propaganda, reportagens, seu site, redes sociais etc). Esse é o momento no qual toda sua expectativa começa a tomar forma.

Não é à toa que decoradores de todo o mundo têm dedicado atenção especial aos lobbys. É só reparar nas últimas renovações. O novo lobby do Hotel InterContinental São Paulo é um bom exemplo disso.

 Lobby e bar do InterContinental São Paulo
(foto: tripadvisor.com)

A tendência da arquitetura e da decoração como parte da estratégia dos hotéis não para por aí. Ambientes cada vez mais sensoriais estão sendo trabalhados como suporte à imagem e à percepção da marca. Bibliotecas, galerias de arte e exposição, salas privativas para trabalho, sala de jogos, playground e áreas de convivência ao ar livre já são encontrados até nos hotéis corporativos mais tradicionais. Mas será que é preciso ser um hotel de luxo ou ter muito capital para investir nesse tipo de ambientação?

A resposta é não. A criatividade superou a ostentação. O luxo e o requinte excessivos deram espaço à funcionalidade e ao bom gosto. Você não precisa contratar o Philippe Starck ou o Ian Schrager para decorar seu hotel. Mas nada o impede de utilizar suas duas ideias principais:

Áreas públicas - ambientes de socialização (base dos hotéis design), integrando os hóspedes, o hotel e a cidade.
Apartamentos - decoração intimista, foco no conceito "casa fora de casa", passando sensação de segurança e alívio. Armários, mesas e sofás são dimensionados de acordo com a permanência média dos hóspedes. Além, claro, do básico: móveis resistentes, boa acústica, proibido ar-condicionado de janela e funcionalidade com tomadas e conexões em geral.

Existem empresas especializadas em decoração de interiores e arquitetura hoteleira aqui no Brasil que esbanjam bom gosto. Aliás, bom gosto é o desafio. Na ansiedade de criar algo diferente, vemos hoteleiros "perderem a mão" com carpetes psicodélicos nas áreas de eventos, iluminação cansativa, apartamentos nada funcionais que, com a desculpa de ser design, acabam tornando a hospedagem estressante.

Outros vão ainda mais além. O caso clássico é dos cofres com abertura lateral para deixar o laptop carregando. Atenção: isto esquenta demais o equipamento e pode queimá-lo. Você voltaria para um hotel que fez você perder todo o conteúdo e ainda inutilizou seu computador?

TendênciasTambém é importante ampliar a visão. Design é algo que está presente não só na decoração, mas na arquitetura, na natureza, na vista da janela, nos pequenos detalhes. As paredes de vidro e as plantas do lobby do Tivoli São Paulo ou a vista da Ponte Estaiada do Sheraton WTC são exemplos dessa beleza.


Lobby do hotel Tivoli Mofarrej, em São Paulo (SP)
(foto: saopaulo.com.br)

A última edição da revista Casa Vogue traz um editorial muito interessante sobre o assunto: "Um mundo atento ao ser humano e ao meio ambiente, em que reina o respeito à vida e à natureza. Valores permeados pela sustentabilidade, inclusão social e diversidade. E também pelo ócio - criativo. Porque a preciosidade máxima é o tempo e o que se faz com ele. A idade pouco importa. Um lugar onde se acumulam amigos, cultura, boas idéias e doces lembranças. Um universo imaginário? Não, um novo mundo, identificado pela essência e pelas emoções. Superfícies com efeito tátil e visual, ícones centenários e designers visionários. Mas, acima de tudo, liberdade total de utilizar o espaço e combinar estilos, de forma cada vez mais ampla e multidisciplinar. O luxo de ser o que se sente, de ser o que se é".
Realmente o foco mudou! E para deixar esse conceito mais tangível, seguem algumas dicas de grandes arquitetos e decoradores:

- Ambientes onde as pessoas podem usar e abusar sem regras;
- Proporcionar conforto;
- Valorizar o hábitat;
- Flores e plantas, sempre naturais;
- Se você deseja coisas boas, perfeito. Não é justo que outras pessoas sofram por causa disso. Não é mais aceitável que os materiais de construção e decoração do seu hotel sejam provenientes de uma cadeia de produção que gera exploração ou pobreza;
- Madeira de demolição;
- Luz natural;
- Sensação de escapismo (mesmo em hotéis corporativos);
- Estética não é mais fundamental. Harmonia e bem-estar sim.

Para finalizar, o escritório britânico WGSN define três grandes tendências mundiais como novos caminhos estéticos:

1) Hyper Cultura - Múltiplas origens e influências tomam lugar de culturas singulares. Evolução Cultural. Surge uma estética que mixa marcas, estilos, valores e ícones que encarnam suas origens culturais.

2) Eco-Hedonismo - Surge um novo luxo em paralelo à natureza. Sustentabilidade combinada com o hedonismo. O que era uma técnica de sobrevivência agora é um caminho luxuoso para o consumo. 
Exemplo: O Awasi (Deserto do Atacama, Chile) utilizou somente materiais encontrados até 100 quilômetros de distância do hotel na sua construção e utiliza a cultura local como base de sua estratégia. Prova disso são suas diárias de US$ 2 mil e a participação em organizações como Relais & Chateau e Virtuoso Hotels & Resorts.

Hotel Awasi
(foto: awasi.cl)

3) Neutralidade Radical - Os moderados são os novos radicais. A neutralidade é a nova espiritualidade. Mudar o ponto focal e, automaticamente, a relevância da imagem. As aparências parecem singulares, mas mantém a diversidade cultural.

Muito viajante? Bem, grandes designers são grandes artistas, e esse pessoal vive de grandes inspirações.
Corredor do hotel Armani Dubai
(foto: dubai.armanihotels.com)

Todos eles concordam que hotéis e restaurantes ainda demandam um over design (em comparação à decoração de residências, por exemplo). A Hyper Cultura e o Eco-Hedonismo já dão sinais em vários hotéis pelo mundo. Será que esse over se mantém por muito tempo ou a aproximação do conceito Guest House consolidará a Neutralidade Radical como a grande tendência para o mundo da hotelaria?
Seja como for, inspire-se! Não dá mais para viver em um mundo commodity de hotéis sem criatividade!
Postar um comentário