segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Fast Fashion Tropical - Reportagem com Gabriela Otto para Revista Linx Moda

Segue 2ª reportagem que Gabriela Otto participa para a Revista Linx Moda:
Fast Fashion Tropical

Também chamada moda democrática ou moda para todos, o fenômeno da fast fashion veio da Europa, em magazines como Zara, H&M e Forever 21. Sucesso no mundo todo, tem como principais representantes por aqui lojas como C&A,  Renner e Riachuelo, todas seguindo a mesma fórmula consagrada: preços acessíveis e chegada de peças nas lojas em períodos mais curtos.  

"Leva-se no máximo 45 dias entre a criação da coleção e sua entrega, e em algumas redes, as peças são trocadas semanalmente ou até diariamente. É muito diferente de uma coleção  que é entregue inteira em cada temporada", explica Gabriela Otto, professora de Mercado de Luxo da Educação Corporativa, cursos de atualização e de férias da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). O formato mostra que contar com novidades o tempo todo é uma forma muito eficiente de atrair o público para esses estabelecimentos, o que se revela também uma poderosa estratégia de marketing. Na C&A é exatamente dessa forma: a loja conta com novos produtos chegando todos os dias, há 37 anos, desde que começou a operar no Brasil.  

"E essa é uma fórmula rentável para as marcas, pois aumenta a demanda e proporciona retorno mais rápido", diz Gabriela Otto.
Embora a lógica da fast fashion no Brasil siga a mesma dinâmica de outros países que possuem essa cultura há mais tempo, a especialista chama a atenção para um fenômeno recente proporcionado pela internet: a explosão dos blogs especializados em moda. 

"Blogueiras e sites que retratam os chamados 'looks do dia' alavancaram o conceito de fast fashion no país", diz a professora da ESPM.  

"Os outlets de fast fashion são outra tendência muito forte atualmente. temos exemplos como a Forever 21, que vende camisetas entre U$ 1,8 e U$ 3,8, e a Lefties, da Zara", menciona.

A especialista da ESPM afirma que é possível que lojas menores que as redes mencionadas, mas com boa estrutura, passem a operar no conceito de fast fashion, com maior entrada de novos itens e consequente aumento no fluxo de clientes. 
Mas alguns cuidados devem ser observados: "É necessário ser dinâmico, contemporâneo e se manter constantemente antenado com as tendências. E cuido o tempo todo da reputação da sua marca", aconselha Gabriela.

E todas as oportunidades devem ser avaliadas como o e-commerce, por exemplo. "Operar nesse conceito abre uma possibilidade incrível para vendas online", aconselha.
===============================
Se gostou desse post, não deixe de ler:


Aposta do Luxo em outros universos, reportagem com Gabriela Otto na Revista Linx Moda
LVMH refaz sua estratégia e investe em relacionamento 
O Novo Mundo do Luxo
Postar um comentário