segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

As Mulheres no Mercado de Trabalho

Estou lendo o 2º livro de Steven Levitt e Stephen Dubner, Superfreakonomics (que, aliás, recomendo muito) e, dentre tantas revelações interessantes, me deparei com estudos sobre a mulher no mercado de trabalho. Não tive dúvidas que esse seria o assunto para um artigo. 

Bem, não há dúvida que a vida das mulheres melhorou muito nos últimos anos em quase todas as áreas – educação, direitos civis e políticos, oportunidades de carreira, etc.

Mas claro que os conflitos entre vida pessoal e profissional ainda são enormes. Em pesquisa realizada na Austrália, 47% das mulheres encurtam seus sonhos familiares, 16% postergaram a maternidade e 18% optam por não ter filhos em função do trabalho.



Mas, mesmo com tantos sacrifícios e a conhecida evolução feminina na sociedade atual, ainda pagamos caro (literalmente) por ser mulher. Vejam alguns dados revelados no livro Superfreakonomics:

• Nos USA, mulheres com diploma universitário e maiores de 25 anos ganham 40% a menos do que os homens na mesma situação.

• Ex-alunas de Harvard ganham, em média, menos da metade da remuneração dos homens. E mesmo depois da pesquisa ser refeita para garantir maior igualdade de condições, as mulheres ainda ganhavam cerca de 30% menos que seus colegas do sexo masculino.

Mas quais são os motivos dessa desigualdade? Vários:

• Família - As mulheres tendem a deixar mais a carreira profissional para cuidar da família.

• Discriminação – Sim, existe, e isso é comprovado por pesquisas sérias. Desde a ostensiva, como não promover uma mulher simplesmente por não ser homem, até os indícios de que mulheres com excesso de peso sofrem perda salarial maior que homens obesos.

• Absenteísmo – Mulheres com menos de 45 anos tendem a faltar mais ao trabalho em ciclos de 28 dias, o que, junto com a produtividade no período, é um fator que responde por 14% das diferenças salariais entre homens e mulheres.

Mesmo os economistas responsáveis por esta pesquisa nos USA concordando que a discriminação impacta em menores salários para as mulheres, também revelam que sua ambição (ou falta de) é a maior causa. E eles se baseiam em 3 fatores:

• Mulheres têm CRs (Coeficientes de Rendimento) ligeiramente mais baixos que os homens. Talvez por elas fazerem menos cursos de finanças. E os economistas comprovam a correlação entre formação em finanças e remuneração na carreira.


• Nos primeiros 15 anos da carreira, as mulheres trabalham menos que os homens (52 versus 58 horas por semana). No total dos 15 anos, isso equivale a 6 meses de experiência.

• As mulheres interrompem mais a carreira. Depois de 10 anos de carreira, apenas 10% dos homens com MBA ficaram mais de 6 meses sem trabalhar, em comparação com 40% das mulheres em igualdade de condições.

Por fim, os economistas terminam com um experimento incontestável, provando que alta remuneração simplesmente não é tão importante para as mulheres quanto para os homens

O teste foi: jovens de 20 anos tinham que responder 20 perguntas de matemática. Primeiro, todos receberiam 5 dólares pelo comparecimento e mais 15 dólares pela conclusão do teste. Em outra versão, eles recebiam 5 dólares pelo comparecimento e 2 dólares por cada resposta certa.

Na versão do pagamento fixo, o desempenho dos homens foi apenas um pouco superior (1 pergunta certa a mais que as mulheres). Porém, no pagamento variável, os homens dispararam.

E eles terminam o estudo provocando: “Será que a explicação seria que os homens têm um fraco por dinheiro assim como as mulheres têm por crianças?”

Bem, prefiro dizer que a tendência feminina é mais colaborar do que competir, e isso tem que ser valorizado e não escondido. Afinal, é uma das nossas características que ajudam muito no sucesso de uma empresa.

E no Brasil?

Em 2010, o IBGE lançou um estudo chamado “Mulher no Mercado de Trabalho”, proveniente da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) de 2009, realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre. Entre os principais resultados estão:

• 35,5% das mulheres têm carteira de trabalho assinada versus 43,9% dos homens. Já as mulheres empregadoras são 3,6%, pouco mais da metade da população masculina com 7%.

• 61,2% das trabalhadoras têm 11 anos ou mais de estudo versus 53,2% dos homens. A parcela das mulheres com nível superior é de 19,6% versus 14,2% dos homens.

• Elas trabalham 38,9 horas em média (4,6 horas a menos que os homens)

• O rendimento continua sendo inferior ao dos homens. O salário das mulheres, estimado em R$ 1.097,93, continua inferior ao dos homens (R$ 1.518,31). Em 2009, comparando a média anual de rendimentos dos homens e das mulheres, verificou-se que as mulheres ganham em torno de 72,3% do rendimento recebido pelos homens. Em 2003, esse percentual era de 70,8%.

Veja como bate muito com a pesquisa realizada nos USA.

Por fim, o estudo indica que 16,2 milhões de mulheres estão no mercado de trabalho formal, enquanto em 2002, a participação feminina era de 11,4 milhões, o que significa um crescimento de 40,9%. Entretanto, as mulheres ainda continuam em grande desvantagem em relação aos homens no universo corporativo, a exemplo da remuneração: elas ganham cerca de 30% a menos do que eles.

E as mulheres na Hotelaria?

• A participação feminina já é muito significativa na hotelaria e gastronomia. Somos 53,5% dos postos de trabalho desse segmento. (Fonte: Relatório Anual de Informações Sociais do Ministério do Trabalho e Emprego de 2008).

• Entre os segmentos estudados, as mulheres representavam 60,30% da força de trabalho nos bares e restaurantes, 18,50% dos buffets e cantinas, 19,5% de hotéis e similares e 1,7% de outros alojamentos.

• Com relação ao ensino superior, as hoteleiras superam (e muito) os homens. 70,9% dos profissionais do segmento com diploma universitário são mulheres.

• A rotatividade das mulheres no setor é grande e as mulheres ainda ficam menos em um emprego que os homens. 18,2% das hoteleiras ficam entre 12 e 23 meses trabalhando em um hotel.

• Dentre os estados, os que pior pagam a mulher hoteleira são Piauí e Tocantins. E o que melhor paga é São Paulo (bem acima da média nacional), seguido pelo Rio de Janeiro e Distrito Federal (quase empatados em segundo lugar).

• No segmento hoteleiro, a diferença salarial entre homens e mulheres é de 26,8% em todo o país. Entretanto, mesmo São Paulo tendo os salários mais altos, o holerite das mulheres em comparação aos seus colegas do sexo masculino é de 33,5% nesse estado.

Bem, agora que já temos todos esses dados, o que fazer?

No livro “Nice girls don´t get the corner Office 101” (traduzido como: Mulheres boazinhas não enriquecem), a autora, psicoterapeuta e presidente da Corporate Coaching International, Lois P. Frankel é taxativa: “Mostrar-se solícita demais, meio frágil e pedir desculpas o tempo todo são atitudes que colocam as mulheres distantes dos cargos mais importantes.”

Depois de estudar a atitude feminina a fundo no trabalho, ela indica os maiores erros das mulheres: sobrecarregar-se de tarefas, mostrar-se infantil, falar docemente, ser modesta, entre outros. Quando esses comportamentos viram rotina podem se transformar nos maiores entraves de crescimento profissional.

E ela dá conselhos bem objetivos. Escolhi alguns:

1) Não trabalhe duro demais. Gaste pelo menos 5% do seu tempo construindo relações com colegas ou pessoas em cargos acima do seu.

2) Não guarde suas opiniões. Assuma riscos dando opiniões.

3) Pare de querer que todos gostem de você. Se você continuar querendo ser querida pode perder a grande oportunidade de ser respeitada.

4) Não troque informações pessoais em demasia. Não pense que seus subordinados são seus melhores amigos.

5) Pare de agir como um homem. Você perderá seu diferencial feminino e pode soar como arrogante e falso. A tendência feminina é mais colaborar do que competir.

6) Não espere ser notada para tomar a iniciativa. Muitas mulheres deixam de ser promovidas por ficarem quietas esperando alguém reconhecê-las.

Fonte: www.geneseweb.net
 
Em entrevista para uma revista brasileira, a autora ressalta a importância dos conselhos para nós: “As latinas são vulneráveis porque vêm de uma cultura que enfatiza a importância de a mulher ser primeiro boa mãe e esposa e, lá no fim da lista, uma boa executiva.”

E Lois vai mais além: “As mulheres não têm medo do sucesso, mas temem parecer bem-sucedidas por não quererem ofuscar seu marido, pai ou mentores por receio de embaraçá-los e, assim, afastá-los.”

Por fim, ela cita o que a mulher profissional pode aprender com os homens: ser mais direta, falar a linguagem dos negócios e tomar decisões baseadas na lógica e fatos, não apenas no coração.

Então, meninas, o conselho final é: Não abandone sua essência feminina, mas aceite uma calculadora financeira na sua vida. Isso permitirá que, mais rapidamente, as mulheres se transformem também em líderes no mercado de trabalho.


Sucesso!
Postar um comentário