sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Sequestro, a nova sensação do turismo

Imagine a cena...

Você está passeando tranquilamente pelo Egito e, de repente,  é raptado por beduínos.
A princípio, terror!
Entretanto, com o decorrer do tempo, nota o quanto eles são gentis, e começa até curtir o "passeio". 

Essa foi a história verídica da brasileira Zélia Magalhães ano passado. Ela e uma amiga foram reféns de beduínos, passando 9 horas no deserto. Seu comentário final: "Foi divertido!

Sua justificativa: "Não é todo dia que podemos acampar no deserto, trocar sorrisos com crianças locais, aprender árabe, comer batata frita e salada típicas, visitar tribos e até receber proposta de casamento....eu recusei."



Após a queda do ditador egípcio Hosni Mubarak em 2011, vários beduínos foram capturados pelo exército. Em contrapartida, eles começaram a sequestrar turistas ocidentais para serem usados como moeda de troca. 

Entretanto, por terem uma boa índole, acabam tratando muito bem os turistas, dão um passeio pelos pontos turísticos do Sinai, oferecem comida e os libertam rapidamente.

Orgulhoso, o líder tribal Ahmed Hashem explicou sua inovação: "É um safári turístico!

Então tá, Ahmed! 

Postar um comentário